quinta-feira, 31 de maio de 2012

Fé Córdula


Francisco de Assis Córdula - Sertão do Seridó - Rio Grande do Norte - 1933-2016
Residiu em Goiânia desde 1974

As cores do seridó em fé córdula

por Redação
Iaperi Araújo
Fé Córdula 
- Foto: Substântivo Plural

Francisco de Assis Córdula, o Chico do padre Ambrósio, nasceu no sertão do Seridó em 1933 e foi criado no Acari onde conviveu com a cultura popular, as artes e os ofícios do povo que se esmerava na criatividade de suas coisas, inclusive objetos do dia-a-dia. Panelas, alguidares e objetos de uso doméstico de barro, selas para montarias, brinquedos populares, roupas de vaqueiro, lamparinas para alumiar a escuridão da noite e até objetos de adorno.  Tudo tinha um tanto de criativo à medida que sendo artesanato se diferenciava pela recriação, sempre adicionando-se algo a mais para se tornar mais belo.


Acari foi ficando pequeno e Chico acabou migrando, como seus conterrâneos, para o centro-sul do Brasil.   Não foi prá São Paulo, engrossar as levas de retirantes pras lavouras de café, nem pro triangulo mineiro sofrer na colheita amarga do arroz, mas prá nova fronteira do Brasil, no centro-sul, o el-dourado de  Goiás, bafejado pela proximidade da presença do poder político nacional em Brasilia.

Em Goiás, a partir de 1974, deixou fluir a intensa criatividade que guardava como herança de sua convivência com o povo do Seridó.  As festas de Nossa Senhora da Guia, as procissões, os pastoris e a alegria do povo na amnésia de suas dores.

Nascia Fé Córdula, o pintor que interpretava o sentimento do povo com sua intensa criatividade na forma, na cor, na temática e principalmente na qualidade de suas composições que diferentemente das formas labrojeiras do artista popular, eram cuidadosamente compostas e visualmente ricas.

A convivência com a cultura goiana trouxe para o seu universo, novas formas que nada mais eram que variações da cultur do seu povo.  Não muito diferentes os bailes pastoris.  A procissão do fogaréu poderia ser até um pouco semelhante às procissões das missões de frei Damião (1898-1997) varando as noites numa intensa cantoria, alumiado pelas velas votivas protegidas com papel de seda colorido.              

As cavalhadas, de Pirenópolis saíram das nossas lutas de mouros e cristãos, da armorial disputa de argolinhas e lá como cá, a réplica dos embates entre os cordões azul e encarnado dos pastoris.

Fé Córdula se apropriou dessa cultura do povo goiano e com a inteligência do menino seridoense, foi realizando um trabalho de recriação das tradições, respeitando-as no seu estilo primitivo, mas vestindo-as com sua criatividade. Pintou as artes e ofícios do povo goiano.  As festas de santos, as cerimônias rústicas dos rituais dionisíacos  de sagração à fecundidade da terra.  Em Goiás, como sonhavam os migrantes do Nordeste,  a terra era boa e macia.  Terra de pouco trato, dadivosa e regateira.  Bastava plantar e com pouco mais, colhiam-se os frutos do próprio trabalho. 

Diferente das terras daqui, secas e estorricadas como seus próprios habitantes.  Esses ritos passaram para a obra de Fé Cordula, sempre rica na cor e nas fantasias, na interpretação dos anseios populares, na recriação dos sonhos e na visão muito lúdica de suas alucinações.  Faziam contraponto com toda sua experiência de vida nos sertões do Seridó que vez por outro teima em aparecer na sua obra pictórica.

Se são goianos a maioria dos motivos dos seus trabalhos, são permanentes e intensas a cores do Seridó na obra de Fé Córdula.  As pessoas podem sair do seu lugar de nascimento e vida, mas esse lugar nunca sai de dentro das pessoas.  Fé Córdula é afirmação disso, pois guarda em seus trabalhos a essência do sertão nordestino, uma atávica presença da tradição de raiz nas ações de sua vida e na sua produção intelectual.


ADENDO EM 30/agosto/2016

"Faleceu na noite de ontem [11/agosto/2016] o artista Fé Córdula. Nascido em 1933 no Rio Grande do Norte, o artista residia em Goiás desde 1974.

É reconhecido nacionalmente como um dos maiores representantes da arte naif, expressando em seus trabalhos a cultura e a religiosidade popular. O MAC | Goiás, que possui obras de Fé Córdula em seu acervo, deixa sua homenagem ao artista".

Fonte: MAC Goiás


Mais informações: